PECADORES CONFESSOS...

sábado, 15 de maio de 2010

Mulheres que Pecam Verde e Amarelo - as mulheres de Machado de Assis

Já falamos aqui no blog de uma das personagens femininas - senão a personagem feminina mais controversa da literatura brasileira: a Capitu de Dom Casmurro. Capitu é propositadamente ambígua, naturalmente sensual e profundamente apaixonada - embora não se saiba se pelo marido Bentinho, ou pelo melhor amigo dele, Escobar. A historia começa e termina em pistas que não se resolvem, e que deixam no ar uma dúvida eterna, para o narrador-protagonista e para o leitor: afinal, Capitu traiu Bentinho? E afinal, será que isso realmente importa?
Capitu é a personagem-mulher mais famosa de Machado de Assis. Mas não é a unica. De uma forma geral, as mulheres machadianas - sobretudo as heroínas ou as condutoras da narrativa - são concebidas para serem fortes, determinadas em seus objetivos e em busca de algum nível de satisfação pessoal - o que convenhamos, não era o padrão de comportamento da mulher do sec. XIX. Falaremos de outras quatro personagens que, junto com Capitu, compõem o time de pecadoras do imaginário machadiano. Nosso primeiro fascículo:

Helena  (1876) - a mulher com um segredo...

Outra das mulheres controversas de Machado, Helena - do termo grego Helene, que significa "brilhante" - é uma mulher cuja história transfigura de certa forma a etmologia do nome. O brilho de Helena vem da sua beleza, da sua fibra, da sua inteligência ameaçadora e sutil. E é exatamanente esse brilho que a conduz ao cerne de um pecado do qual só se redime com a morte.

Ambientada no Rio de Janeiro colonial, Helena é a filha postiça de um rico conselheiro da corte, que tem um caso amoroso com sua mãe, Angela. A morte do conselheiro do Vale é o ponto de partida na trajetória da heróina. Na abertura do testamento, do Vale afirma que Helena é sua filha de sangue, portanto, herdeira de toda a sua fortuna junto com Estácio, seu filho legítimo. Mesmo sabendo da verdade, Helena assume a posição de dona da casa, como irmã mais nova de Estácio e herdeira riquíssima. Seu pulso forte no comando da casa e sua personalidade aflorada a antagonizam, basicamente, com outros dois personagens femininos: D. Úrsula, tia de Estácio, que reage com a divisão da herança com uma filha bastarda; e Eugênia, moça da corte cujo casamento com Estácio havia sido engendrado pela família exatamente por conta da enorme herança que ele receberia sozinho.
Com o passar do tempo, Helena ganha o respeito de D. Úrsula e do resto da corte, que passa a tratá-la com deferência. A ascensão social que ambicionara ao aceitar uma herança que não lhe pertencia acontecia gradativamente, e pretendentes não lhe faltavam. Mas ao mesmo tempo, o interesse de Helena por Estácio - e vice-versa - evolui para admiração, carinho, afinidade, e os sentimentos entre os dois vão se desenvolvendo. É aí que ocorre o grande conflito da trama: Helena e Estácio se apaixonam perdidamente. Estácio passa a viver atormentado pelo que considera um amor incestuoso, já que acredita que Helena seja sua irmã; por outro lado, Helena passa a se atormentar com o fato de que sua mentira afastou-a de seu amor de forma irrevogável. Em outras palavras, Estácio se atormenta porque não sabe a verdade, e Helena se atormenta porque sabe.

Embora Machado deixe claro que Helena não é irmã legítima de Estácio, esse conhecimento dentro da narrativa pertence apenas à heroína - o que aumenta a sua carga. Helena suporta um tormento particular, mas, ainda assim, fomenta o tormento de todos à sua volta. O fantasma do incesto permeia toda a interação entre Helena e Estácio, e os ciumes romanticos de Estácio em relação à "irmã" tornam-se cada vez mais evidentes, sobretudo quando Helena aceita se casar com Mendonça, amigo de Estácio. Não obstante, é um padre o primeiro a perceber que os sentimentos entre os irmãos não são fraternos. Mas, junto com o amor revela-se também a verdade.

E a verdade, na trama de Machado, se materializa numa casa de bandeira azul. Uma construção modesta no meio do caminho de Helena e Estácio, notada na primeira vez que cavalgaram juntos. A casa da bandeira azul é pintada num quadro por Helena que, instintivamente  presenteia o quadro à Estácio no dia de seu aniversário - e aqui podemos perceber como Machado trabalha a psicologia da personagem, ao fazê-la preparar o caminho para a revelação da verdade, ainda que inconscientemente, expiando-se assim da propria culpa. A curiosidade em relação ao interesse de Helena pela casa faz com que Estácio a siga em uma de suas constantes visitas ao local. Chegando lá, encontra um homem de meia-idade, que Estácio descobre mais tarde ser Salvador, o verdadeiro pai de Helena. Salvador conta que fora abandonado pela mulher Angela, que fugira com a filha ao se apaixonar por outro homem - neste caso, o pai de Estácio. Esse mesmo homem, sendo rico, sustentava uma casa para Angela e tratava Helena como sua filha. Com a morte do conselheiro e a perfilhação de Helena, Salvador achou melhor ela continuar mentindo para ter uma vida confortável.

Agora Estácio também sabia a verdade - mas como revelá-la, sem causar um rebuliço social? Assim, Estácio resolve mais uma vez, conformar-se. Deixar tudo como está. Mas essa não seria a atitude de Helena.

Sem conseguir purgar a mentira dentro de si, Helena pega uma chuva forte e cai seriamente doente. A chuva, neste ponto da narrativa de Machado, assume o carater simbolico da purificação, da alma e do corpo tentado ao pecado no seio da família. Desse modo, a alma de Helena se "limpa", e o seu corpo definha rapidamente. A sugestão de Machado é que, ao perceber que a verdade provocaria julgamentos, preconceitos e retaliações de uma corte conservadora, Helena se deixa consumir pela doença, para morrer. Estácio se desespera a confessar seu amor, e o ultimo ato de Helena é o único beijo de amor do casal, já livres da mentira e também, do julgo da sociedade. Helena, de uma certa forma, prefere a morte ao ostracismo. Martirizando-se torna-se uma lembrança eterna, e eterno também será o seu brilho.

A construção do conflito psicológico da personagem, e a sua constante oscilação entre anjo e demonio, são características básicas da visão machadiana do feminino. Em Helena, a morte da protagonista é também a sua redenção, o seu modo de colocar um ponto final no tormento que ela mesma causara - de maneira que, com o seu desaparecimento tudo volta ao ponto de partida - a morte, um testamento, uma repartilha dos bens, e um casamento arranjado para apagar o vazio que Helena deixara. Mas os personagens não seriam os mesmos, apenas versões amadurecidas pela dor, endurecidas. Helena deixara uma marca. A marca de uma personalidade absorvente, encantadora, em cuja transgressão reside o sentimento, e em cuja renuncia reside a sua eterna imagem.


Proximo fascúculo: Sofia  (Quincas Borba,1891)

Share/Save/Bookmark

2 comentários:

Amapola disse...

O filme Capitu sempre passa na TV cultura. Já o assisti duas vezes. A história é boa, mas o filme é ruim demais. A artista principal não tinha expressão alguma, parecia uma estátua o tempo todo...

Eu li Helena há mais de quarenta anos. Gosto muito da obra dele.

Um grande abraço. Bom fim de semana.

Amapola disse...

Passei para lhe dar um abraço.

Related Posts with Thumbnails