PECADORES CONFESSOS...

domingo, 11 de outubro de 2009

Série ELAS POR ELES

A partir de hoje publicarei periodicamente uma série de poesias dedicadas às mulheres, feitas pelos mais diversos escritores através dos tempos. Serão 10 episódios, cada um contendo duas obras, preferencialmente de autores de épocas distintas. Vamos ver como o olhar masculino sobre a mulher é construído, e o quanto este olhar pode ter se modificado, adaptado, ou simplesmente se excepcionado da maioria. Mais tarde, faremos um balanço dessas observações.
Para começar, dois grandes poetas brasileiros. Um, autor consagrado também na nossa literatura, morto no inicio do século passado; e o outro, consagrado sobretudo na nossa música, morto na segunda metade do mesmo século.


MACHADO DE ASSIS (1839 - 1908)


Quando Ela Fala




Quando ela fala, parece
Que a voz da brisa se cala;
Talvez um anjo emudece
Quando ela fala.

Meu coração dolorido
As suas mágoas exala,
E volta ao gozo perdido
Quando ela fala.

Pudesse eu eternamente,
Ao lado dela, escutá-la,
Ouvir sua alma inocente
Quando ela fala.

Minha alma, já semimorta,
Conseguira ao céu alçá-la
Porque o céu abre uma porta
Quando ela fala.
 
 

 
 
VINICIUS DE MORAIS (1913 - 1980)


A mulher que passa





      
Meu Deus, eu quero a mulher que passa.
Seu dorso frio é um campo de lírios
Tem sete cores nos seus cabelos
Sete esperanças na boca fresca!

Oh! Como és linda, mulher que passas
Que me sacias e suplicias
Dentro das noites, dentro dos dias!

Teus sentimentos são poesia
Teus sofrimentos, melancolia.
Teus pêlos são relva boa
Fresca e macia.
Teus belos braços são cisnes mansos
Longe das vozes da ventania.

Meu Deus, eu quero a mulher que passa!

Como te adoro, mulher que passas
Que vens e passas, que me sacias
Dentro das noites, dentro dos dias!

Por que me faltas, se te procuro?
Por que me odeias quando te juro
Que te perdia se me encontravas
E me encontravas se te perdias?

Por que não voltas, mulher que passas?
Por que não enches a minha vida?
Por que não voltas, mulher querida
Sempre perdida, nunca encontrada?
Por que não voltas à minha vida
Para o que sofro não ser desgraça?
Meu Deus, eu quero a mulher que passa!
Eu quero-a agora, sem mais demora
A minha amada mulher que passa!

No santo nome do teu martírio
Do teu martírio que nunca cessa
Meu Deus, eu quero, quero depressa
A minha amada mulher que passa!

Que fica e passa, que pacifica
Que é tanto pura como devassa
Que bóia leve como cortiça
E tem raízes como a fumaça.







Share/Save/Bookmark

Nenhum comentário:

Related Posts with Thumbnails